pular navegação

O destaque desta semana é Seralina McCormick Danielson, professora de inglês e de apoio de inglês na Centennial Middle School. Seralina se tornou professora porque acreditou nela por meio das pessoas com quem trabalhou quando era educadora auxiliar. Ela adora observar o progresso de seus alunos e conhecê-los. Aqui está o que ela escreveu sobre o ensino.

Por que eu ensino...

por Seralina McCormick Danielson

Quando criança, eu gostava da escola. Eu tinha professores que se empenhavam em suas aulas e sabia que eles se importavam. Quando passei para o ensino médio, esse senso de valor geral e o investimento dos professores pareciam ter diminuído muito. Talvez fosse porque as turmas eram maiores, talvez fosse porque havia muito mais alunos e era muito difícil para os professores se conectarem profundamente com todos eles. Não sei ao certo, mas era óbvio para mim quais professores realmente se esforçavam e faziam com que eu me sentisse empolgado para assistir às suas aulas, em comparação com os outros professores que apenas davam aulas, nos faziam tomar notas que eu não entendia e depois faziam uma prova que eu não conseguia entender.

(O ensaio continua abaixo do vídeo).

Anos mais tarde, como mãe solteira sem instrução e precisando desesperadamente de uma renda para sustentar minha família, fui contratada como para-educadora em uma escola de ensino fundamental desse distrito, na qual meus filhos estudavam. Eu também trabalhava em dois outros empregos para sustentar minha família, mas era grata por ter a oportunidade de ter meus filhos por perto em todos os meus empregos. Em poucos anos, nossa escola recebeu uma nova facilitadora e professora de educação especial leve e moderada. Ela era incrível! Seus esforços, compreensão e conexão com cada um de seus filhos e professores eram fenomenais. Ela me orientou e me moldou em meu trabalho, fez com que eu me sentisse valorizada e talentosa no que estava fazendo com nossos alunos. Ela e outros professores da escola me diziam constantemente que eu tinha um talento natural e que deveria me tornar professora. Eu zombava deles e brincava dizendo que não tinha tempo nem energia para isso e os lembrava de que eu seria um péssimo aluno de qualquer maneira. Esse facilitador e esses professores persistiram. Eu até disse, em tom de brincadeira, que um dia iria para a escola, ao que minha facilitadora criou um documento feito à mão declarando que ela era testemunha de minha declaração e me fez assiná-lo com ela para que parecesse um documento oficial! Foi muito hilário no momento, e ainda tenho esse documento até hoje (nove anos depois).

Um dia, eu e outros dois pais fomos informados de que precisávamos participar de uma reunião de treinamento durante o trabalho, e eles cobririam nossas aulas. Quando entrei na reunião, realizada em outra sala de professores, havia quatro ou cinco professores da escola, com dois ou três administradores distritais de educação especial. A "reunião" acabou sendo uma apresentação informativa sobre como os paras poderiam se tornar professores. Lembro-me de ter rido por dentro, dizendo para mim mesmo: "É isso mesmo! Não vou fazer isso". No entanto, quando os apresentadores colocaram a questão em termos de dinheiro, percebi que um professor do primeiro ano ganhava quase o dobro do que eu ganhava trabalhando em três empregos de salário mínimo. O fato de outro assistente ter tido a mesma epifania facilitou o compromisso de ir para a escola, porque eu tinha outra pessoa entrando na mesma trincheira que eu. Foi um caminho duro, longo e difícil. Tive muitos desafios ao longo do caminho, mas comecei a reconhecer a verdade que essas pessoas estavam me dizendo há anos: Eu trabalhava bem com alunos com necessidades especiais porque conseguia entender muitos de seus desafios. Eu adorava ver o crescimento e o desenvolvimento deles como paraenses e percebi que realmente queria ser um instrumento para ver o sucesso desses alunos, cujas dificuldades de aprendizagem fazem parecer que estão muito atrás de onde todos os outros começam. Ajudar esses alunos a reconhecer que podem alcançar o mesmo resultado de maneiras diferentes e que o fato de aprenderem a se esforçar mais os ajudaria a chegar mais longe do que os outros no longo prazo me deixou animada! Eu sabia que queria fazer parte disso. Nunca esquecerei minha primeira "equipe" e o forte impacto que tiveram sobre mim por meio de seus exemplos, incentivo e apoio. Amarei essas pessoas para sempre pelo dom que me ajudaram a descobrir.

Shauna Sprunger
  • Coordenador de Comunicações
  • Shauna Sprunger

Além do Mês da História Negra, fevereiro é uma época em nosso distrito para celebrar a Carreira e a...

pt_BRPortuguês do Brasil